Nação Sacerdotal Yeshua Melekh
Artigos
O Dragão

A grande maioria das pessoas que aceita a Bíblia como regra de fé, busca logo uma revelação de profecias, e muitos vão direto em Gelyi’ãnã (Apocalipse) sem o menor preparo escriturístico, e devido a isto, estas pessoas cegas interpretam os Escritos conforme o seu próprio entendimento. Portanto, estou dedicando este artigo a um estudo bem específico sobre o dragão apocalíptico que é tanto dito, mas pouco debatido.

O dragão de Gelyi’ãnã é interpretado pela maioria das religiões como satanás, que é um anjo que se rebelou contra o Criador e foi expulso do paraíso e lançado no inferno, ainda, este anjo levou consigo um terço dos anjos do céu nesta rebelião, ao qual, todos precipitaram no inferno.

Apesar da grande maioria entender deste modo, é necessário sempre colocarmos em questão todas as interpretações e reavaliarmos para saber se está correto ou não. Então vamos aqui esquecer todo este conceito e doutrina já estabelecido e vamos buscar construir a doutrina a partir do zero! Vamos supor que você jamais ouviu falar nada a respeito da Bíblia e hoje alguém lhe abre a bíblia e diz: “Você sabe me dizer quem é o dragão?”. Bom, você nunca ouviu falar nada a respeito da bíblia e não sabe dizer quem é o dragão, e por isso, é necessário analisar com cautela esta figura antes de dar uma resposta.

Definição

Neste artigo vamos analisar os termos em Grego e Hebraico, pois estaremos não apenas analisando Gelyi’ãnã, mas também alguns livros do Tanakh. No Hebraico nós temos תַּנִּין – tannin que significa dragão, monstro, etc. Já no Grego temos δράκων – drakon que significa dragão ou grande serpente.

Analisando os Escritos

A palavra “dragão” aparece em Gelyi’ãnã 13 vezes, e o mais interessante e que devemos levar em conta é que esta palavra somente aparece em Gelyi’ãnã, os demais livros da Berith Chadhãshãh não tem uma única citação. A primeira vez em que ela aparece é em 12.3, que veremos abaixo.

"E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz. E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão [δράκων - drakon] vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão [δράκων - drakon] parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Elohim e para o seu trono."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 12.1-5

A primeira coisa que temos que levar em consideração ao ler Gelyi’ãnã é que este livro está repleto de figuras não literais. Assim como a mulher descrita no texto é uma figura, o dragão também. A mulher é um símbolo que está ligado ao dragão, e por isso, vamos analisar esta mulher para entendermos também o dragão.

"E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça."
Gelyi’ãnã/Apocalipse 12.1

Quem é este mulher? A chave para matarmos a questão é a coroa que está sobre sua cabeça. Esta coroa de 12 estrelas são as 12 tribos de Yisrã’el. O sol representa o poder de YHWH que está sobre esta mulher e a lua debaixo dos pés representa a idolatria dos povos. Esta figura do povo de Yisrã’el sendo representado por estrelas não é uma exclusividade de Yochãnãn (João), mas também vemos este mesmo paralelo em Dãniyel.

"E se engrandeceu até contra o exército do céu; e a alguns do exército, e das estrelas, lançou por terra, e os pisou."
Dãniyel/Daniel 8:10

Após alguns pessuqim é explicado a visão, mas não vamos entrar em detalhes para não estender demais o artigo. O que precisamos entender é que na explicação, as feras simbolizam reinos humanos, e seria completamente ilógico e forçoso pensarmos que reis humanos foram capazes de derrubar anjos ou até mesmo estrelas. Certamente estas estrelas ditas na profecia de Dãniyel se tratavam de um rei que perseguiu o povo de Yisrã’el.

Em Dãniyel 12.3 temos a explicação do porquê o povo eleito é representado pelas estrelas.

"E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente."
Dãniyel/Daniel 12.2-3

O sol que é a maior estrela pela perspectiva humana, e representa Elohim, porém, os Homens também serão como Elohim, mas serão muito menores, entretanto, semelhantes a Ele no tempo que Ele glorificar o Homem.

Creio que a questão da mulher já está explicada, mas se alguém ainda tem dúvidas a respeito, basta ler o pãsuq 5 que a questão será explicada por sí só.

"E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Elohim e para o seu trono."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 12.5

Esta mulher deu a luz para aquele que há de reger todas as nações e ainda foi arrebatado para junto de Elohim. Ora, certamente este é Yeshua, portanto, esta mulher certamente é Yisrã’el.

Agora que entendemos quem é a mulher e fechamos a questão, vamos guardar esta informação e analisar sobre o dragão.

No pãsuq 3 vemos a descrição do dragão, que em muito se parece com uma visão de Dãniyel.

"E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 12.3

"Depois disto eu continuei olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres. Estando eu a considerar os chifres, eis que, entre eles subiu outro chifre pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas."
Dãniyel/Daniel 7.7-8

Conforme vemos em Dãniyel, esta fera é um reino e os chifres são reis. Esta ideia de um reino ser representado por feras é uma característica forte no livro de Dãniyel, mas também temos uma referência no livro de Yechez’qel.

"Fala, e dize: Assim diz o Adhonãy YHWH: Eis-me contra ti, ó Faraó, rei do Egito, grande dragão [הַתַּנִּים֙ הַגָּדֹ֔ול – hattannim hagãdhol], que pousas no meio dos teus rios, e que dizes: O meu rio é meu, e eu o fiz para mim."
Yechez'qel/Ezequiel 29.3

Alguns entendem que o grande dragão é o rei do Egito, outros já entendem que o grande dragão é o Egito, mas o mais importante é analisarmos o que representa o dragão em si. Vemos em Dãniyel que a ferra terrível se tratava de um reino e em Yechez’qel o dragão também. Sendo assim, é muito mais lógico entendermos que o dragão apocalíptico também é um reino.

O pãsuq 4 nem se faz mais necessário explicar, mas vamos reforçar a questão, pois mais a frente vamos precisar de todas as coisas bastante claras.

"E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho."
Gely'ãnã/Apocalipse 12.4

As estrelas do céu já vimos que se trata do Povo Eleito, e também entendemos que o dragão é um reino. Logo, a cauda que precipitou as estrelas significa um reino que matou um terço do Povo Eleito ou um reino que enganou um terço do Povo Eleito. Se enganou ou matou deixo ao leitor a interpretação, mas o importante agora é entendermos que o dragão é um reino e as estrelas o Povo Eleito.

Mas ainda existe um ponto ao qual as pessoas podem ficar bastante confusas e é necessário um esclarecimento a respeito. Estamos falando do pãsuq 9.

"E foi precipitado o grande dragão [δράκων - drakon], a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele."
Geliy'ãnã/Apocalipse 12.9

Agora é onde as pessoas vão se perguntar: “Como o dragão pode ser um reino se está escrito que o dragão é o Diabo e Satanás?”. Bom, lembra que falamos no início que vamos esquecer tudo o que é ensinado por aí e formar do zero o conceito? Pois bem!

Diabo e Satanás são nomes correspondentes. Um diz respeito ao Grego e o outro ao Hebraico. No Hebraico, o termo “sãtãn” não é o nome de um anjo caído, mas sim, um adjetivo que significa “adversário”, ou pode ser um substantivo masculino no que diz respeito a uma pessoa que vai contra outra.

Temos um exemplo bastante interessante na Torãh da qual vale a pena analisarmos aqui!

"E a ira de Elohim acendeu-se, porque ele se ia; e o anjo de YHWH pôs-se-lhe no caminho por adversário [לְשָׂטָ֣ן - lesãtãn]; e ele ia caminhando, montado na sua jumenta, e dois de seus servos com ele."
Bãmidh'bar/Números 22.22

Ora, se entendermos que Sãtãn é um nome próprio, então estamos dizendo que o Anjo de YHWH é este anjo caído. Sãtãn é tudo aquilo que está em oposição a algo e não quer dizer respeito um ser extremamente malvado e que seja adversário de YHWH. O mesmo ocorre para “diabo”, que quer dizer “acusador”, “opositor”, etc. Não vamos analisar aqui todo o Tanakh para ver o que significa sãtãn, para isto temos o artigo *[O Conceito Tanaico de "Satã"]* no qual vemos de forma mais aprofundada esta questão.

É de fundamental importância entendermos que sãtãn significa adversário, pois assim podemos entender a real mensagem que as escrituras tem a nos oferecer. Vejamos por exemplo o pãsuq abaixo:

"E ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios: Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 2.12-13

Conforme a interpretação comum, o trono de Satanás fica no inferno, sendo assim, ou esta igreja está no inferno, ou a interpretação comum está enganada. Outro ponto importante, qual o real problema em estar próximo do “trono de Satanás”? Se você chegar perto deste trono, você manifesta com demônio? Bom, nunca ouvi falar nisto. Mas se entendermos do modo correto, podemos ver que o “trono do ADVERSÁRIO” é um reino e esta igreja deve tomar cuidado com a perseguição dos Homens sobre aquela igreja. Agora imagine se fosse você que fizesse parte desta igreja de Pérgamo, e você está lendo Gelyi’ãna. Se você entende que “satanás” é um ser espectral, você vai viver descuidado, com medo de um ser imaginário. Mas se você interpreta o texto como deve ser interpretado, entendendo que é um reino adversário, você vai poder se prevenir a respeito deste reino, evitando que você seja morto, ou jogado na prisão, etc.

Assim como 2.12-13 “satanás” significa “adversário”, em 12.9 é a mesma coisa. Mas agora pode ficar uma dúvida na cabeça das pessoas: “Se o dragão é um reino de homens, como ele foi precipitado na terra?”.

"E foi precipitado o grande dragão [δράκων - drakon], a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele."
Geliy'ãnã/Apocalipse 12.9

É importante destacar que o dragão foi precipitado na TERRA e não no inferno. Mas vamos entender aqui o que seria lançar um reino terrestre na terra. Dentro das visões proféticas, é comum elevar os símbolos aos céus para demonstrar destaque e grandeza. Isto ocorre desde os profetas do Tanakh e também é o caso de Gelyi’ãnã. Não precisamos nem mesmo recorrer aos demais profetas para entendermos esta questão, pois o que já vimos aqui neste artigo explica a questão.

"E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz. E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Elohim e para o seu trono."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 12.1-5

O profeta vê um sinal no céu, ou seja, algo simbólico. O primeiro sinal que o profeta vê é a mulher, que já vimos que se trata de Yisrã’el. Yisrã’el estava literalmente no céu? Não! Nunca esteve! Portanto, do mesmo modo que Yisrã’el nunca esteve no céu, este reino representado pelo dragão também não estava no céu. Apenas na visão profética é que ele estava no céu para representar a sua grandeza. Quando o profeta diz que o dragão foi precipitado, ele está dizendo que este reino passou por algum tipo de prejuízo, que pode ter sido uma derrota, ao qual, toda a glória que exaltava aquele reino foi derrubada.

Mas ainda existe algo neste mesmo pãsuq que deixa as pessoas com a pulga atrás da orelha. “Quem são os anjos que foram precipitados junto com o dragão?”.

"E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele."
Geliy'ãnã/Apocalipse 12.9

Como um reino pode ter anjos? Como um reino poderia arrastar consigo anjos celestiais? Estas seriam as duas perguntas que muitos fariam. Mas a melhor pergunta para o momento é: O que são anjos?

Vamos começar analisando dentro do próprio livro de Gelyi’ãnã o que seria anjo.

"Eu, Yochãnãn/João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Yeshua, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Elohim, e pelo testemunho Yeshua. Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta, Que dizia: Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia. E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno. Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer; O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 1.9-20

Como podemos ver, as 7 estrelas são 7 anjos, mas já vimos anteriormente que as estrelas representam pessoas, e agora representam anjos. Estaria eu enganado a respeito das estrelas representarem pessoas glorificadas ou este anjo aqui descrito são pessoas? Isto nós vamos ver mais abaixo:

"Escreve ao anjo da igreja de Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro: Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres. Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Elohim."
Gelyi'ãnã/Apocalipse 2.1-7

Observe os dois pontos que estão em negrito. O primeiro ponto diz “escreve ao anjo”. A pergunta que eu faço é: “Por que um profeta precisa escrever pra um anjo celestial?”. Raciocine comigo: YHWH elege um profeta para se comunicar com os demais homens através deste profeta, mas os “anjos celestiais” tem contato direto com YHWH, conforme as religiões. Qual a necessidade do profeta escrever para um anjo?

O segundo ponto em negrito fala a respeito de um desvio de conduta. Se este anjo é um ser celestial, então estamos vendo aqui um anjo caído que toma conta da igreja. Seria esta a melhor forma de interpretar este texto? Observe como o texto descreve as obras do anjo conforme as obras humanas e ainda o exorta ao arrependimento. Conforme as religiões, não existe perdão para satanás e os seus anjos, mas por que este anjo pode se arrepender?

O que ocorre é que no Grego a palavra ἄγγελος – ãggelos significa “mensageiro”, e este mensageiro pode ser um homem comum que foi enviado por um rei com uma missão, ou seja, este mensageiro não tem nada de sobrenatural. O mesmo ocorre com o correspondente de ãggelos no Hebraico que é “mal’ãkh”, e caso você deseje saber mais a respeito, leia o artigo onde falamos mais a respeito que é *[O Conceito Tanaico de “Anjos”]*.

Conforme vimos aqui, os anjos das 7 igrejas são os lideres responsáveis pelas igrejas, que são homens comuns que estão na liderança. Do mesmo modo, os anjos de 12.9 são homens comuns, podendo ser as 7 cabeças ou os 10 chifres ou até mesmo as estrelas citadas no pãsuq 3.

E agora para completarmos este bolo colocando a cereja que está faltando, vamos falar a respeito da cronologia dos fatos que é algo que está em completo desacordo. Observe o momento de cada fato ocorrido dentro de Gelyi’ãnã 12 e veja como contradiz a cronologia conforme o relato das religiões.

Conforme as religiões, Lucifer se rebelou contra o Criador muito antes da criação da Humanidade, e então o Criador lançou no inferno Lucifer e seus anjos. Após isto criou o Homem e lá estava Lucifer em formato de serpente para tentar ao Homem. Desde então Lucifer e seus anjos estão espalhados pela terra para roubar, enganar e destruir. Porém, Lucifer foi preso no inferno quando Cristo foi morto, porém, os anjos de Lucifer continuam soltos e causando o mal, enquanto satanás está preso no inferno aguardando julgamento.

Conforme Gelyi’ãnã temos a seguinte cronologia: A mulher estava grávida do Messias (1) e isto ocorreu quando a humanidade já existia. Paralelamente apareceu um dragão que arrastou um terço das estrelas do céu, e mais uma vez reforço, a humanidade já existia. A mulher deu a luz e o Messias foi levado para junto de Elohim (5), e após isto é que o dragão foi expulso do céu junto com seus anjos (8-9) e ainda assim, o dragão foi atrás da mulher para devora-la (13) e conforme Gelyi’ãnã, o dragão apenas será aprisionado no fim dos tempos, conforme pode ser visto no pereq (capitulo) 20.1-3.

Vamos colocar em uma tabela para ficar mais claro.

Religiões

Gelyi’ãnã

Lucifer e seus anjos foram expulsos antes da criação do Homem.

O Homem já existia quando o dragão surgiu.

Lucifer e seus anjos já habitavam o inferno quando o Messias nasceu.

O dragão foi expulso do céu após a morte e ressurreição do Messias.

Lucifer foi trancado no inferno durante o período em que Cristo estava morto.

O dragão ainda será aprisionado, e isto vai ocorrer milhares de anos após a morte e ressurreição do Messias.

A pergunta que faço é a seguinte: É possível ainda dar credibilidade ao ensino das religiões após tudo o que vimos até agora? Será mesmo que o Dragão é um ser espectral maligno?

Conclusão

Agora que você entendeu alguns dos elementos figurados que estão no livro de Gelyi’ãnã, você será capaz de ler o livro com outros olhos e entender coisas que até então você não entendia. Obviamente este livro é muito complexo e dificilmente conseguiríamos desvenda-lo por completo com um simples artigo, afinal, veja o quanto de coisas analisamos para apenas estudarmos a respeito do dragão. Mas de fato, agora temos uma nova visão e vamos resumir esta nova visão nos itens abaixo.

  • O dragão e a mulher são símbolos figurados dentro de uma visão profética;
  • A mulher representa o povo eleito;
  • O dragão representa um reino;
  • As estrelas representam os santos de Elohim (pessoas);
  • Os anjos são seres humanos;
  • E até a cronologia dos fatos não condiz entre a doutrina das religiões e o livro.
Material produzido por: Edenyah ben Adam
Conecte-se conosco no Facebook
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Twitter
Se inscreva em nosso Canal
Nação Sacerdotal Yeshua Melekh
Proibida a reprodução sem o consentimento dos responsáveis