Nação Sacerdotal Yeshua Melekh
Artigos
Yom Hakkipurim e o Jejum

O Yom Hakkipurim é um Mo’ãdh muito importante na Torãh, pois é um dia para refletirmos nos nossos pecados, arrependimento dos mesmos e expiação destes.

É comum a prática do Jejum em Yom Hakkipurim, e as pessoas jejuam em Yom Hakkipurim simplesmente porque é o que é dito.

Mas o que a Torãh fala a respeito deste mandamento? O que é Jejuar conforme as Escrituras?

O mandamento

Em um pequeno resumo, vamos ver aqui sobre yom hakkipurimm focando no  “afligir da alma” que é dito na Torãh, sem muito adentrar na parte dos holocaustos.

"E isto vos será por estatuto perpétuo: no sétimo mês, aos dez do mês, afligireis as vossas almas[te’anu eth-naph’shothêkhem], e nenhum trabalho fareis nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós. Porque naquele dia se fará expiação[yekhapper] por vós, para purificar-vos; e sereis purificados de todos os vossos pecados perante YHWH. É um sábado de descanso[shabbath shabbãthon] para vós, e afligireis as vossas almas[we'innithem eth-naph’shothêkhem]; isto é estatuto perpétuo."
Wayiq'rã/Levítico 16.29-31

Esta tradução da JFA traz o termo “afligir a alma” o que reflete bem o texto. Mas algumas outras traduções trazem “se humilhar” e as versões católicas trazem o termo “jejuar”. Porém, é importante saber que no Tanakh, o termo Hebraico para Jejum é “Tzom”, porém, este termo não se encontra em lugar nenhum da Torãh.

Vejamos então outras passagens sobre Yom Hakkipurim.

"Mas aos dez dias desse sétimo mês será o dia da expiação[yom hakkippurim]; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas[we'innithem eth-naph'shothêkhem]; e oferecereis oferta queimada à YHWH. E naquele mesmo dia nenhum trabalho fareis, porque é o dia da expiação[yom kippurim], para fazer expiação[lekhapper] por vós perante YHWH vosso Elohim. Porque toda a alma[hannephesh], que naquele mesmo dia se não afligir[the’unneh], será extirpada do seu povo."
Wayiq'rã/Levítico 23.27-29

"E no dia dez deste sétimo mês tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas[we'innithem eth-'naph'shothêkhem]; nenhum trabalho fareis."
Bamidh'bãr/Números 29.7

O termo kippurim (כִּפֻּרִים) parece se tratar de um plural superlativista, e este termo, conforme a concordância Strong vem da raíz kopher (כֹּ֫פֶר) que significa “resgate”.

"Se lhe for imposto resgate[kopher], então dará por resgate[pidh’yon] da sua vida tudo quanto lhe for imposto,"
Shemoth/Êxodo 21.30

Portanto, yom hakkipurim poderia ser entendido como um dia em que somos resgatados por YHWH.

Neste dia é feito yekhapper (expiação) como vimos em Wayiq’rã 23.28. Yekhapper vem da raiz kãphar (כָּפַר), que traz muitos significados. Kãphar significa expiação, perdão, aplacar, etc.

Portanto, yom hakkipurim é um dia de resgate para aqueles que se arrependem e buscam o perdão para os seus pecados.

A prática do Jejum

Tendo visto a respeito de Yom Hakkipurim e entendendo melhor o significado deste dia, vamos então buscar entender a questão do Jejum no Yom Hakkipurim.

Como já dito anteriormente, o termo Jejum não se encontra na Torãh. Provavelmente se trate de um neologismo. Até o período em que a Torãh foi escrita, possivelmente não havia uma palavra específica que determinasse tal prática. Portanto, o termo “afligir a alma” era usado. Porém, futuramente, foi criado o termo “jejum” para descrever tal prática, pois o termo “afligir a alma” era um tanto abrangente.

O termo “afligir” que no Hebraico é “’ãnãh” (עָנָה) é encontrado em vários casos, e alguns deles é de perseguição e guerra. Portanto, para alguns a expressão “afligir a alma” poderia significar autopunição ou automutilação. Daí, para evitar o mal entendido, cria-se um termo ao qual unifica os conceitos relevantes ao afligir da alma, e este termo é “jejum”.

O termo jejum em Hebraico é Tzom (צוֹם). Infelizmente não encontramos na Palavra a especificação de como é feito o jejum, pois não existe um mandamento que diz, “fareis o jejum assim e assim”. Apesar de não termos o jejum de modo claro, podemos analisar os textos e compreender de forma abrangente o que é o jejum e como praticá-lo.

Para iniciarmos esta pesquisa, devemos primeiro buscar se há realmente alguma relação com o Jejum e o Afligir da alma. Vamos analisar então Yesha’yãhu e entender melhor se há ou não uma ligação entre as duas coisas.

"Dizendo: Por que jejuamos[tzam’nu] nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas['inînu naph'shenu], e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais[tzomekhem] achais o vosso próprio contentamento, e requereis todo o vosso trabalho."
Yesha'yãhu/Isaías 58.3

Aqui nós temos um paralelismo sinônimo, ao qual vemos duas frases paralelas para se referir à mesma coisa. E nele vemos a relação entre jejuar e afligir a alma.

Ainda em Yesha’yãhu 58 podemos encontrar algumas das práticas do Jejum e vamos explorá-las mais.

"Seria este o jejum[tzom] que eu escolheria, que o homem um dia aflija a sua alma['annoth ãdhãm naph'sho], que incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum[tzom] e dia aprazível à YHWH?"
Yesha'yãhu/Isaías 58.5

É importante lembrar que este texto de Yesha’yãhu não está falando contra a prática do Jejum, mas sim, está falando contra as motivações. Ou seja, muitos faziam a coisa certa pelos motivos errados. Yesha’yãhu apenas está explicando que devemos fazer a coisa certa pelos motivos certos.

Tendo isto posto, vemos aqui uma característica importante a respeito do Jejum. O dia em que fazemos Jejum, não é um dia de alegria e divertimento, mas sim, um dia uma para estamos em reflexão de nossos erros e falhas, assim como completa o pãsuq a seguir.

"Porventura não é este o jejum[tzom] que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo?"
Yesha'yãhu/Isaías 58.6

Podemos observar que, o profeta fala que o dia de Jejum é um dia em que devemos nos arrepender dos nossos pecados, e refletirmos a respeito das nossas atitudes. Ninguém se arrepende de pecados em um dia de festas e alegria, é necessário se esvaziar de tais coisas para que possamos refletir e nos arrependermos. Quando o profeta diz “deixes livres os oprimidos”, ele está justamente se referindo à nossa conscientização a respeito de nossas falhas perante YHWH, e o arrependimento, pois não há arrependimento sem volta a trás, e por fim, somente assim podemos atingir o objetivo que é o de alcançarmos o perdão.

E quanto as cinzas e o saco? Estes eram sinais de luto e também utilizados no Jejum. O dia do Jejum não é um dia para se arrumar e se enfeitar todo. Muitas pessoas ao fazer um Jejum, se arrumam com as melhores roupas para ir congregar, mas isto é contrário a prática do Jejum, como podemos confirmar em Tehilim 35:

"Mas, quanto a mim, quando estavam enfermos, as minhas vestes eram o saco; humilhava a minha alma com o jejum['innêthi batzom naph'shi], e a minha oração voltava para o meu seio."
Tehilim/Salmos 35.13

A ultima prática que podemos extrair de Yesha’yãhu 58 se encontra no pãsuq 10, como veremos a seguir:

"E se abrires a tua alma[naph’shekhã] ao faminto, e fartares a alma aflita[wenephesh a'anãh]; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia."
Yesha'yãhu/Isaías 58.10

Aqui nós vemos um ponto interessante a respeito do “afligir da alma”, que a alma que está aflita, é uma alma que está faminta. Portanto, deixar de comer é afligir a alma, e também é Jejuar.

Além de não comer, também vemos no Tanakh que era uma prática não beber água ao se fazer um Jejum, e isto podemos conferir abaixo:

"E os homens de Nínive creram em Elohim; e proclamaram um jejum[tzom], e vestiram-se de saco, desde o maior até ao menor. Esta palavra chegou também ao rei de Nineweh; e ele levantou-se do seu trono, e tirou de si as suas vestes, e cobriu-se de saco, e sentou-se sobre a cinza. E fez uma proclamação que se divulgou em Nineweh, pelo decreto do rei e dos seus grandes, dizendo: Nem homens, nem animais, nem bois, nem ovelhas provem coisa alguma, nem se lhes dê alimentos, nem bebam água;"
Yonãh/Jonas 3.5-7

A grande maioria das pessoas que fazem Jejum costumam apenas cortar a comida, porém, não se abstêm de beber água. Podemos ver através do livro de Yonãh que se abster da água também fazia parte da prática do Jejum.

Já em Nechem’yãh vemos algo interessante a respeito desta prática do Jejum.

"E, no dia vinte e quatro deste mês, ajuntaram-se os filhos de Yisrã’el com jejum[betzom] e com sacos, e traziam terra sobre si."
Nechem'yãh/Neemias 9.1

Como já vimos, era costume usar cinzas, mas neste ponto das escrituras vemos o uso da terra para substituir as cinzas. Talvez por não se achar cinzas, o povo usou a terra, mas um ponto importante a ser realçado nesta questão das cinzas e da terra, é o uso de cosméticos.

Naquela época, o óleo era um dos principais cosméticos utilizados. Era utilizado como perfume, para melhorar o aspecto da pele, e até mesmo para curar cicatrizes. O ato de jogar sobre o corpo terra ou cinzas era uma forma de inibir o uso de cosméticos ou até mesmo para remover o cheiro dos mesmos. Portanto, percebemos que deve haver abstinência de cosméticos no dia de Jejum.

Conclusão

Yom Hakkipurim é um dia de resgate, mas obviamente é um dia de resgate para aqueles que verdadeiramente afligem suas almas, não apenas jejuando, mas refletindo sobre sua vida, se arrependendo de seus pecados e buscando um retorno à Torãh de YHWH. Somente assim esta pessoa estará sendo resgatada neste Mo’ãdh (tempo apontado).

Quanto ao Jejum, podemos definir da seguinte forma:

  • Devemos nos abster de alimentos;
  • Devemos nos abster de água ou bebidas;
  • Devemos nos abster de nos arrumarmos com as melhores roupas;
  • Devemos nos abster de uso de cosméticos;
  • E um Jejum sem reflexão e arrependimento é um jejum inútil.
Material produzido por: Edenyah ben Adam
Conecte-se conosco no Facebook
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Twitter
Se inscreva em nosso Canal
Nação Sacerdotal Yeshua Melekh
Proibida a reprodução sem o consentimento dos responsáveis